guardia civil espanha

Rede de falsificadores em Espanha

Arte

Falsificaban e vendiam quadros de pintores do modernismo catalão e valenciano, como Santiago Rusiñol, Ramón Casas, Isidre Nonell ou Joaquim Mir, mas a Guarda Civil e os Mossos d’Esquadra) são travagem esta atividade em uma operação conjunta em que foram detidos seis pessoas e intervindo mais de 100 obras contrafeitas. Trata-se da operação “Valentine”, de que foi informado hoje e que deu início a meados do ano passado quando um empresário de Barcelona denunciou que havia adquirido uma obra falsa atribuída ao pintor Ramón Casas e Carbó por 7.200 euros. Comunicou também que as forças de segurança de que esses mimos vendedores lhe tinham oferecido outras obras de arte.

As pesquisas a que deu lugar a denúncia, levadas a cabo por uma equipa da Guarda Civil e os Mossos, constataram que várias pessoas instaladas em diferentes províncias atuavam em conluio e aproveitavam seus conhecimentos artísticos para essa atividade.

Uma operação de grandes dimensões

Assim, comprovaram que em Madrid existiam duas oficinas de pintura, onde se realizavam os quadros. Depois de estudar a obra do autor que queriam forjar, realizavam um esboço e, de acordo com a sua complexidade, as enviavam para outro pintor com grandes conhecimentos e capacidade artística para que as acabar. Para dar maior credibilidade ao caixa, emitindo um certificado de autenticidade, também falsificado, onde plasmaban selos originais previamente roubados com o objetivo de avaliar a originalidade das obras.

Falsificaban a assinatura do autor e envejecían a obra com um quadro adequado para a tabuleta, papelão ou lona de aspecto antigo empregado como suporte para a pintura. Não esqueciam que os artistas cujas obras falsificaban haviam criado seus quadros entre meados do século XIX e início do XX, como os citados Santiago Rusiñol e Joaquim Mir ou Ramón Casas, Isidre Nonell e Eliseu Meifren, entre outros.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *